O que acontece quando você junta a ação do mergulho, exploração no oceano e a administração de um sushi bar? Acontece uma das melhores surpresas de 2023: Dave the Diver.

Sugerindo uma falsa falta de pretensão que esse game é maravilhoso. E prende muita atenção. Especialmente pela sua genialidade, simplicidade e carisma – e muita criatividade.

Agora vamos explicar porque esse jogo se tornou um sucesso:

No jogo você controla um cara chamado Dave, um gordinho simpático que chega nas redondezas para trabalhar ajudando em um sushi bar ao mesmo tempo que explora o oceano. Ou seja, há muitos mistérios para descobrir no mar, criaturas perigosas, peixes dos mais diversos tipos, e você controla esse cara em suas expedições. De dia, você explora e consegue materiais alimentos (peixes). De noite gerenciamos um sushi bar.

Os gráficos são em – uma excelente – pixel arte, cheia de cores e que lembram jogos antigos. No entanto, há muitos elementos modernos, e em especial, destacamos as pequenas cutscenes no meio da aventura. O design dos peixes, do ambiente, do bar e dos personagens são muito legais e atrativos.

A combinação de gêneros traça esse elo entro um jogo com estilo gráfico e visual retrô, com mecânicas atuais. Essa aventura/exploração e administração foi uma escolha arriscada, mas executada de forma excelente! Enquanto você curte um jogo mais desafiador, cheio de ação, exploração, descobertas e mistérios durante o dia, à noite é hora de cuidar de um sushi bar, selecionar os pratos e gerenciar o restaurante para gerar lucro e investir mais e mais em estruturas e melhorias.

Com um tanque de oxigênio nas costas e alguns equipamentos, como um arpão ou armas, é possível explorar o oceano em busca de recursos. Esses recursos variam entre peixes, que viram comida para o restaurante, ou objetos que podem ser usados para construir novos equipamentos. Além disso, há também uma narrativa misteriosa e fantástica abaixo do oceano, sem falar em missões aleatórias que podem envolver criaturas ou pessoas.

Administrar um sushi bar: Durante a noite no tempo do jogo, dá para criar pratos especiais, melhorar a culinária, o atendimento, o visual e administrar um sushi bar. Essa parte é muito interessante e se consagra como uma ótima extensão e link com a parte de exploração. Afinal, nada melhor do que capturar o que você vai colocar para ser vendido no bar e satisfazer seus clientes. Tudo é muito cheio de criatividade e um toque especial de gastronomia.

Criar novas iguarias: A cada dia, é possível levar todos os peixes recolhidos no mar para o sushi bar. Por lá, é possível criar diversos tipos de pratos e iguarias, bem como subir de nível esses pratos. Isso rende mais dinheiro e mais credibilidade para o restaurante. Sem falar que o chef se especializa cada vez mais em criar novas propostas. E, assim, você seleciona o cardápio do dia e começa a servir. Quanto mais você avança e se desenvolve, mais é possível aprimorar o local e as opções de pratos.

Um tanque de oxigênio nas costas e um sonho!

Além da pesca, existe a exploração. E muitas missões secundárias que trazem mistérios do fundo do mar ou das redondezas.

Algo que pode desagradar algumas pessoas talvez seja a repetição. Com algumas horas de jogo, tudo fica bastante básico e linear. Consiste em seguir os passos de uma rotina constantae: mergulhar, caçar, explorar, gerenciar e vender. E anssim segue.

No mais, não encontramos muitos bugs ou elementos que realmente atrapalhem a jogabilidade e tornem a experiência ruim. Muito pelo contrário, temos neste jogo um ótimo equilíbrio de jogabilidade, visuais, design e trilha sonora.

A polêmica de Dave The Diver

Em novembro, a The Game Awards 2023 (ou TGA para os mais íntimos) divulgou a lista dos jogos indicados para a premiação e, na categoria indie, Dave the Diver despontou entre os selecionados. Contudo, esse nome causou polêmicas na comunidade e gerou ruídos com o júri e a organização. Mas por quê?

Basicamente, a desenvolvedora de Dave the Diver é a Mintrocket, uma subsidiária da Nexon, uma empresa coreana bem poderosa – e, por conta disso, com muitos recursos –, algo que levantou debates sobre o título ser independente ou não (e se merecia estar indicado em sua categoria).

Entre exemplos que Geoff Keighley citou para dar contexto à situação de Dave the Diver é o próprio Baldur’s Gate 3: “alguns dizem que a Larian com Baldur’s Gate 3 é independente”. E, de fato, a Larian publica seus próprios jogos, mas também já teve aporte financeiro de outros empresas no passado.

Outro caso que Keighley citou durante a live foi o próprio Death Stranding, que, apesar de poder se enquadrar na categoria de independente, teve financiamento do PlayStation e tem centenas de desenvolvedores trabalhando no projeto.

Em outras palavras, apesar de a Nexon ter muito dinheiro (ela chegou a ser uma das candidatas a comprar a EA Games) e um acervo grande de AAA, nada impede que o Dave the Diver tenha tido uma verba bem menor.

A Mintrocket teve uma equipe com menos de 30 desenvolvedores para desenvolver o título, mas não sabemos o orçamento: para você, ele é indie ou não? Se ele não for, jogos da Devolver são? Certamente, não é uma pergunta fácil de responder.

Mergulhe nessa aventura!

Mesmo que oferece mecânicas e algo extremamente inovador, Dave The Diver oferece uma jogabilidade muito divertida e um design muito interessante. Traz horas de diversão descontraída, e é um prato cheio para quem gosta também do gênero de administração. Os personagens são carismáticos, a ambientação do game é muito bonita e traz uma sensação de leveza e de “verão tropical”. Além disso, tudo tem uma grande homenagem aos grandes chefs e uma grande apreciação pela culinária, sobretudo coreana ou japonesa. O game mescla diversas culturas, gêneros e jogo, e oferece muito tempo de diversão descontraída e viciante.

Dave The Diver só está disponível para PC e Nintendo e Switch. A partir desta terça-feira (16) o jogo entra no catálogo da PS Plus Extra, com versões para PlayStation 4 e PlayStation.

No versão do console de nova geração, haverá suporte à resposta tátil do controle DualSense para oferecer aos jogadores uma sensação mais realista de quando um peixe fisgado estiver puxando a linha. Os gatilhos adaptáveis respondem de acordo com a arma que estiver sendo utilizada, de modo a aumentar a imersão.

Além disso, uma DLC gratuito em parceria com o Godzilla será disponibilizado para todas as versões do jogo em maio, introduzindo novas ameaças aos jogadores no Poço Azul. Mais detalhes a respeito serão divulgados posteriormente.

Leia também:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *