Minha história com rally se iniciou em Colin McRae Rally, lá no PlayStation 1. Na época, quando tive a oportunidade de jogar pela primeira vez, eu amava o jogo, apesar de achar extremamente difícil concluir uma corrida com o carro inteiro. A partir daí, a paixão por corridas nos jogos só aumentou, desde rally a outros, como F1, Gran Turismo, Formula Indy e um dos meus preferidos do PS1, TOCA: Touring Car Championship.

O gosto por corridas nos jogos foi para a vida real, passando a acompanhar constantemente diversos tipos de competições, que vão de F1 a NASCAR. E claro, isso inclui rally, principalmente por ser uma competição extremamente desafiadora, em diferentes terrenos e traçados que as vezes são bem estreitos, onde não há muito espaço para erros.

Apesar do ótimo trabalho da BigBen, junto a Kylotonn nos jogos oficiais do WRC, sempre tinha a sensação de que os jogos poderiam ser melhores, principalmente após jogar Dirt Rally e Dirt Rally 2.0, da Codemasters. Desenvolvedora essa que também foi responsável por TOCA: Touring Car Championship e Colin McRae Rally, que citei acima. Eis que, finalmente em junho de 2020 veio aquela notícia para me arrancar um sorriso do rosto, a Codemasters havia adquirido a licença de WRC e poderia lançar jogos a partir de 2023.

Pouco menos de um ano depois, a EA anuncia a aquisição da Codemasters, o que me deixou com certo receio, já que a Codemasters sozinha realizava um trabalho incrível em seus jogos. Mas com a EA investindo pesado no agora seu estúdio, o nível foi elevado e nessa análise eu te detalho o porque, vem comigo.

Um jogo de corrida nas mãos dos especialistas!

Não é segredo que desde sempre, quando se trata de Codemasters o estúdio é um especialista e referência nos jogos de corrida. Aqui não poderia ser diferente, já que com a licença oficial do campeonato e a aquisição da EA, a Codemasters juntou o melhor do que já vimos em Dirt Rally e trouxe melhorias significativas, para entregar uma experiência ainda melhor aos jogadores.

EA Sports WRC conta com todos os locais oficiais da competição, incluindo também todas as categorias que vão de JWRC (categoria júnior), WRC3, WRC2 e WRC. Para quem acompanha F1 ou até mesmo MotoGP, as categorias funcionam como as divisões menores nessas competições. E para quem é desconhecedor de qualquer campeonato citado, as diferentes categorias seriam como as divisões do futebol. O jogo ainda traz todas as equipes oficiais, assim como os respectivos pilotos.

Logo de cara no menu, já temos um dos modos que já estava presente nos jogos anteriores, quando ainda estava sob responsabilidade da Kylotonn, o Modo Carreira. Vale lembrar que o último a ser lançado pelo estúdio foi o WRC Generations, marcando uma despedida de uma “geração” de jogos sob a licença oficial.

No Modo Carreira de EA Sports WRC, administramos uma equipe, você podendo optar em construir seu carro do zero ou comprar um carro já pronto e ir desenvolvendo melhorias ao longo das temporadas. Além do carro, claro, ainda temos a liberdade de iniciar lá na menor categoria e ir subindo naturalmente ou encarar o maior desafio de cara e começar direto na categoria principal.

De início, com dinheiro limitado, temos que escolher bem no custo-benefício de engenheiros, mecânicos e tudo que envolve nossa equipe. Mesmo com os patrocínios iniciais, a grana é bem curta, mas para quem já tem experiência com o modo MyTeam de F1, vai ter muita tranquilidade.

Nem tudo é só Carreira

Além do tradicional modo Carreira presente em EA Sports WRC, o jogo também traz uma variedades de modos, que inclui o modo Corrida Rápida, Campeonato, Clubs, Time Trial, todos já presentes em versões anteriores. Dentre as novidades aqui, temos o Moments, onde temos que concluir corridas especificas, com determinados objetivos e locais. A outra novidade é a presença da Escola de Rally, onde cumprimos testes, que vão do básico ao avançado, em diferentes tipos de terreno, lembrando bastante as licenças de Gran Turismo.

E para quem gosta de customização e está querendo dar um tempo dos modos tradicionais, o jogo agora traz um modo Construtor (Builder). Aqui o jogador tem a liberdade de construir carros do zero, editando pintura, construindo motor conforme desejado, até mesmo toda a estrutura do carro. Tudo que for realizado aqui, pode ser compartilhado com a comunidade online.

Desempenho do jogo no geral

Bom, se tratando de desempenho do jogo, diferente dos outros jogos, nesse a Codemasters abandonou sua própria engine, EGO, e aderiu a Unreal Engine 4. E como já estamos cansados de saber, assim como o novo motor gráfico da Unreal, a UE4 ainda sofre com problemas de otimização, e com EA Sports WRC não seria diferente. O jogo apresenta em diversos momentos um gráfico um pouco acinzentado, mesmo que os visuais sejam extremamente bonitos, além de presença de quedas de FPS e sttutering, algo recorrente em outros jogos com o mesmo motor gráfico nesta geração.

Visualmente falando, o jogo apresenta detalhes visuais inferiores ao de Dirt Rally 2.0. Considerando esse ser o primeiro jogo a usar uma nova engine, ainda é preciso tempo para a desenvolvedora lapidar e atingir o nível que já estava com seu próprio motor. Detalhes de chuva, iluminação, efeitos da sujeira no carro como lama, tudo apresenta detalhes bem inferiores, mas ainda sim, considerando os jogos da franquia WRC, consegue ser muito superior aos outros.

Outro ponto que pode afastar muitos jogadores novos ou até mesmo amantes das franquias WRC e Dirt, é a ausência de localização em português. Infelizmente a EA não localizou o jogo, nem mesmo textos em português, o que pode tornar a experiência de quem não tem conhecimento em inglês bem frustrante. Mesmo que o jogo não apresente muitos textos ou diálogos, se torna cansativo o entendimento de termos mais técnicos presentes.

EA Sports WRC vale a pena, mas tem potencial para ser muito mais

Como um bom fã de rally, sim EA Sports WRC é um jogo que vale muito a pena, seja por você amante de corrida ou por quem já conhece a franquia Dirt. Definitivamente a EA mostrou mais uma vez seu potencial em um jogo oficial e a Codemasters mostrou que ainda sabe surpreender quando se fala no gênero de corrida. O jogo entrega tudo que propõe do campeonato oficial de rally e ainda traz elementos que estavam presentes nos títulos anteriores da Kylotonn.

Infelizmente como ponto negativo e que citei anteriormente, é a falta de localização que pode afastar jogadores, deixando assim uma incógnita se no futuro com novos títulos pode vir a receber o suporte. Além disso, resta aguardar para ver como a Codemasters vai evoluir o motor gráfico, para amenizar os problemas presentes aqui em lançamentos futuros, não apenas na franquia atual.

Leia mais:

É amante de música e de cantar no chuveiro? Confira também nossa análise de Let’s Sing 2024, aqui!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *