Crítica | Reino Animal: uma fábula assustadora da desumanização

Outro dia, outro engarrafamento. Um pai, François (Romain Duris), repreende seu filho Émile (Paul Kircher) por dar batatas fritas ao cachorro da família. Ele diz ao jovem para se manter longe delas também, pois provavelmente não são boas para ele, e Émile revira os olhos como qualquer adolescente de 16 anos faria. Eles discutem. Émile sai do carro em desafio, já que o trânsito está parado. De repente, uma ambulância presa na faixa oposta começa a balançar e de dentro dela sai um homem parecido com um pássaro. Ele escapa, e o filho e o pai correm de volta para o carro em choque. “Dias estranhos!” responde um motorista vizinho. É um eufemismo.

Na impressionante fantasia/ficção científica de Thomas Cailley (“Paris Shanghai”), Reino Animal, o homem-pássaro é um sinal do que está por vir. Neste mundo atual, alguns humanos começaram a se transformar geneticamente em outras espécies, metamorfoseando-se em híbridos com asas, reptilianos e bestiais, que a sociedade não-mutada decidiu ostracizar, mantendo-os em hospitais ou centros semelhantes a zoológicos, longe do resto da população, até mesmo de seus entes queridos, pelo risco potencial de que possam machucar alguém com suas garras, presas e asas descomunais.

Esse foi o caso da mãe de Émile, Lana, que é mostrada brevemente no hospital com pelos crescendo ao redor dos olhos. Logo, há outros avistamentos de criaturas ao fundo e na floresta. Essa é a nova normalidade deles. Paralelamente a essas bestas fantásticas, há problemas da vida cotidiana – um filho desafiando a autoridade do pai, François começando um novo trabalho e Émile lutando para se ajustar à sua nova escola. Então, Émile começa a ter problemas ao andar de bicicleta, seus maneirismos estão mudando além de seu controle, suas costas se sentem diferentes, e logo, pelos e garras aparecem. Ele também está se transformando.

Crítica | Reino Animal: uma fábula assustadora da desumanização

Reino Animal se move rapidamente entre os problemas cotidianos de seus personagens e os elementos fantásticos da história de uma maneira realista-mágica que rapidamente cativa seu espectador. Cailley, que co-escreveu o filme com Pauline Munier, usa as criaturas como uma metáfora para como o mundo responde a crises de saúde. Porque não são compreendidas e são temidas, são isoladas do resto da sociedade, o que lembra como alguns países isolaram os primeiros pacientes com HIV/AIDS no final dos anos 80 e início dos anos 90. No filme, personagens falam de outros países que se adaptaram a viver lado a lado com as criaturas humanoides e mostram como a questão se tornou politizada entre os colegas de classe de Émile e o chefe de François, o que espelha a discussão sobre como outros países lidaram com a recente epidemia de COVID-19 e como o discurso sobre saúde pública e segurança se tornou politizado. Que a vida ainda continuou durante esses “dias estranhos” de uso de máscaras, testes, períodos de isolamento e tragédias familiares para alguns, só torna Reino Animal ainda mais relevante.

Há tanto para lidar que Émile nutrindo uma paixão por uma colega de classe e “um clima” surgindo entre François e uma policial desiludida chamada Julia (Adèle Exarchopoulos) só ocasionalmente são notados ao lado da mortificação de se transformar – outra metáfora para o amadurecimento – e do luto. É difícil seguir em frente com algo quando você ainda está passando por isso, mesmo que seja em um cenário tão idílico quanto a maneira como o irmão de Cailley e cinegrafista David Cailley captura o campo francês banhado pelo sol e florestas indomadas. Como um pai cansado tentando fazer o melhor para seu filho, Duris faz um trabalho impecável ao carregar o cansaço de seu personagem por esses eventos opostos a Kircher, que incorpora meticulosamente a ansiedade adolescente e os impulsos animais de seu personagem.

Crítica | Reino Animal: uma fábula assustadora da desumanização

Reino Animal é realmente uma fera estranha. Como os “X-Men” sem os superpoderes, é uma analogia sobre como as pessoas são ostracizadas por diferenças além de seu controle. É uma premissa que poderia ter sofrido com efeitos CGI não tão bons, mas vemos apenas o suficiente de quimeras que misturam penas, escamas e pelos na pele humana para entender o que está acontecendo, empatizar com a pessoa que está se transformando e o medo das pessoas ao redor dela tentando desesperadamente retornar à normalidade. Não há como voltar atrás, esses “dias estranhos” são a nova normalidade. O pai ainda discute com seu filho por dar batatas fritas ao cachorro enquanto ele acende outro cigarro, e assim por diante. O filme é eficaz em sua capacidade de nos fazer simpatizar com os “outros” caçados, bem como observar como a humanidade se torna o que mais teme: monstruosa em sua tentativa de restaurar a lei e a ordem. A vida é complicada assim, e ainda assim continua a encontrar um caminho para seguir em frente.

Leia outras críticas:

One Comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *