Imagem de uma mulher colocando um homem dentro de uma garrafa para protegê-lo

A plataforma de streamings mais famosa do mundo, a Netflix, recebeu uma advertência do governo britânico referente à série Bebê Rena. O Departamento de Mídia, Cultura e Esporte do Reino Unido alertou a empresa estadunidense sobre o projeto de lei de regulamentação de mídia, que contará com a Ofcom – órgão regulador das comunicações – para conferir se o conteúdo segue o padrão das novas leis do país. 

O projeto de lei está em andamento na Câmara dos Lordes, no Reino Unido. Assim, os grandes streamings, como a Netflix, terão um ano para adequar seus conteúdos aos novos padrões, garantindo conformidade. O objetivo dessa decisão é evitar que conteúdos considerados prejudiciais sejam produzidos, colocando em risco a privacidade e segurança das pessoas reais por trás da história. Vem entender melhor:

Pessoas reais da série Bebê Rena são identificadas e ameaçadas

Toda a polêmica teve início quando a Martha, da série Bebê Rena, foi identificada por detetives e ameaçada pelo público.

Em uma entrevista, a Martha da vida real nega ter sido uma perseguidora e obcecada. Afirma também nunca ter enviado tantas mensagens como foi demonstrado na série ou ter atacado a namorada de Gadd, dentre outras alegações. Na entrevista, Martha também acusa Gadd de ser um psicopata que quer atacá-la. Confira um trecho da entrevista abaixo:

De acordo com o governo britânico, Martha tem direito de processar a Netflix por, de modo geral, não ter cuidado na produção de conteúdo. De modo geral, podemos dizer que a série causou sérios danos à sua imagem.

Até o momento, não é possível dizer que todas as alegações de Martha são verdadeiras, mas não é possível dizer que são falsas. Por essa razão, ela ainda tem direito de seguir em frente com seu processo, se quiser. 

A ética na produção de filmes e séries baseados em fatos reais

Essa não é a primeira vez que uma série baseada em fatos reais da Netflix gera polêmica. Um caso com um assunto ainda mais sensível gerou muito incômodo há alguns anos. 

Com o lançamento da série “Dahmer: Um Canibal Americano”, a família de uma das vítimas do assassino afirmou que a produção não entrou em contato com eles antes de gravarem a série. Isso foi justificado pela Netflix ao afirmarem que a série daria voz às vítimas. 

Apesar de Dahmer ser um caso ainda mais sensível, é uma realidade que conteúdos sobre crimes reais estão sendo cada vez mais produzidos, sejam em séries ou em vídeos no YouTube e TikTok

Muitas vezes, esses tipos de produções podem ser insensíveis com as vítimas e dar um destaque exagerado ao assassino ou abusador, o que gera um debate ético sobre esse tipo de conteúdo – que está sendo consumido como entretenimento sem qualquer tipo de reflexão ou cuidado. 

No caso de Bebê Rena, mesmo que Martha seja, de fato, culpada, continua sendo necessário que uma série que se propõe a falar sobre fatos reais esteja, de fato, em conformidade com a realidade. Quando o assunto é esse, a Netflix já possui um histórico de baixa conformidade, o que pode trazer consequências sérias e desconfortos a todos os envolvidos na história. 

Leia mais:

2 Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *