Crítica | Doctor Who - 1x02 bebês espaciais caminhando na linha tênue entre o sublime e o ridículo

Uma turma de bebês falantes superinteligentes. Um monstro chamado Bicho-papão. Uma estação espacial alimentada por anos de fraldas sujas, peidando pelo espaço. Doctor Who está de volta – e desta vez é rico, amplo e bobo. Divertido, mas esquecível.

“Bebês do Espaço” é o grande lançamento da nova era de muito dinheiro de Doctor Who, feito em parceria com a Disney – e streaming na Disney+ nos EUA e na distribuição mundial –, e com Russell T Davies (“Years and Years”) de volta ao comando. Apesar de ser, cronologicamente, a 40ª temporada da série, esta nova iteração está sendo amplamente chamada de 1ª temporada e, com toda uma nova geração de fãs americanos em mente, os princípios básicos da longa série foram laboriosamente explicados: Ncuti Gatwa (“Sex Education”) é o Doutor; ele é um alienígena humanoide; esta cabine telefônica da polícia é a TARDIS; ela viaja no tempo e no espaço, etc. Aliás, se você tem dúvidas sobre a série ou quer saber outras maneiras de começar a assistir, confira nosso artigo espacial aqui.

Davies deixa bem claro ao novo público o que é Doctor Who

No entanto, a lição mais importante para os novos espectadores foi esta: Doctor Who não é Marvel, Star Trek ou Star Wars. Doctor Who navega por uma linha tênue distintamente britânica entre o sublime e o ridículo. Ou você entende – ou não.

Crítica | Doctor Who - 1x02 bebês espaciais caminhando na linha tênue entre o sublime e o ridículo
Na primeira aventura da nova fase da série, Doutor e Ruby ajudam bebês espaciais do bicho-papão (Foto: Reprodução/BBC)

É importante avisar as pessoas com antecedência. Quando o programa retornou pela primeira vez com “Rose” em 2005, o mesmo Davies reapresentou a série com uma história idiossincrática envolvendo manequins mortais. Em Bebês do Espaço, ele começou com crianças cujas bocas foram alteradas digitalmente para dar a impressão de que podiam falar. O efeito foi desconcertante, até barato – talvez haja um limite máximo para o dinheiro da Disney, afinal.

Isoladas numa estação espacial num futuro distante, as crianças eram o resultado de experimentos e foram abandonada após uma recessão galáctica. Inteligentes o suficiente para falar, mas não desenvolvidos o suficiente para andar, o Doutor chega e descobre que não apenas eles estão ficando sem oxigênio, mas também estão sendo atormentados por um monstro assustador e viscoso, o bicho-papão.

Essa é uma ideia inerentemente charmosa e extravagante. Quem poderia resistir ao irresistível gritinho de uma criança solitária pedindo um abraço? E, no entanto, não consigo escapar da sensação de que tudo isso parece um pouco leve e melodramático demais para a primeira aventura oficial de Ncuti Gatwa. Sem mencionar que é tão semelhante em tom e tematicamente ao especial de Natal anterior “A Igreja da Rua Ruby” – também uma história envolvendo bebês.

No entanto, há uma série de pequenos toques encantadores de Davies aqui, que está claramente deleitando-se com o absurdo de sua premissa. Veja o caso do sistema de IA “filtro babá” da estação espacial, que traduz tudo o que você diz pelo interfone para um inglês no estilo Mary Poppins (“oh resíduos!”). Ou a cena maravilhosa em que a nova companheira Ruby Sunday (Millie Gibson) é informada pelo Doutor que o lodo misterioso que a cobre é na verdade ranho de bebê. Uma consequência, veja você, do sistema de “babá” ter interpretado a história do bicho-papão de forma literal.

Que conexão!

Crítica | Doctor Who - 1x02 bebês espaciais caminhando na linha tênue entre o sublime e o ridículo
Gatwa e Gibson contam com uma química incrível, nem parece que esse é apenas a 2ª aventura dos dois juntos (Foto: Reprodução/BBC)

Nas entrevistas que antecederam esta série, Gatwa e Gibson compararam o Doutor e Ruby a dois amigos de escola fofoqueiros que estão constantemente se metendo em problemas. Eles não estão errados. É notável como a dupla se deu bem instantaneamente, como sua dinâmica efervescente e risonha é cativante e sem esforço. Muito disso se deve ao deslumbrante 15º Doutor de Gatwa, que apresenta uma figura totalmente mais vibrante, identificável e mais atrevida do que as encarnações anteriores.

Atenção, spoilers!

No entanto, mesmo a riqueza sobrehumana de carisma de Gatwa não consegue vender a estranha resolução do episódio, em que o Doutor se esforça para salvar o vilão – uma criatura que, como o Doutor, é a última de sua espécie. A mudança do bicho-papão de antagonista monstruoso para vítima incompreendida é tão chocantemente repentina que me perguntei se havia deixado passar alguma cena. Por que os bebês, antes com tanto medo de serem comidos pelo monstro, agora torcem por sua salvação?

Mas essas são dúvidas relativamente menores – especialmente quando você considera o quão pobre foi a era anterior de Chris Chibnall e Jodie Whittaker. Bebês do Espaço foi um episódio bastante intermediário para os padrões de Russell T Davies, mas depois de cinco anos de roteiros planos e rasos ideias, os fãs finalmente encontraram no deserto: uma história imperfeita que, no entanto, brilha com a energia, o calor e a inteligência que faltavam em Doctor Who.

Considerando todas as coisas, posso estar disposto a perdoar alguns problemas iniciais.

Leia também: